Ocorreu um erro neste gadget

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2010

MAM

Sábado, dia 30 de janeiro, MAM. Dia e local de nossa segunda instalação urbana baseada no Mar Me Quer.

Ao longo da última semana de trabalho, tínhamos nos focado em trabalhos individuais, micro-solos, que tiveram como ponto de partida um pouco do material produzido e apresentado no Passeio Público e a outra metade, inicialmente vinha da troca de cartas entre os personagens. Assim, sabíamos um pouco da história do outro e absorvíamos um fiapo da forma narrativa do colega de cena.

Disse "inicialmente" por que ao longo de uma semana de trabalho descobrimos novas formas de fazer, novos estímulos, e o que senti na mostra de sábado foi que estávamos mais junto separados do que quando de fato apresentamos todos num mesmo lugar, a exemplo do Passeio Público.

Explicado, sucintamente o processo, passo então para o que interessa: o sábado. A proposta era repetir minha partitura seis vezes, podendo brincar de ordenar e desordenar a seqüência. Confesso que da primeira vez que executei a partitura senti que não funcionou, as pessoas estavam desatentas, eu não estava suficientemente ligado, pronto para o jogo, chegou a me dar uma sensação de fracasso. Curiosamente lembre das palavras de Alexandre Casali quando fala da arte do palhaço: "o palhaço não quer acertar, ele se aproveita do erro, do fracasso". Isso me deu motivação e na segunda vez encontrei dois caras que pararam atentos para olhar o que eu fazia, comentavam, interagiam. Com isso, mudei sem querer a seqüência, esqueci um movimento, mas acho que deu certo. Então veio o estímulo que faltava de verdade para entrar no jogo, numa parte em que eu caia de cima de um banco, tudo planejando, ensaiado algumas várias vezes, caí de verdade, escorreguei, o banco ficou em falso, não importa, sei que o impacto da minha mão no chão me deu um incomodo e me tirou do estado de conforto.

Daí pra frente as coisas fluíram, tive como platéia um grupinho de 3 adolescentes que olhavam de uma maneira bonita, uma mãe com um grupo de crianças acompanhadas inquietas, mas que ficaram pasmas com minha queda, tentaram aprender a música que eu cantava, ficaram envergonhadas quando ofereci uma flor para a mãe, isso sem falar nos vários curiosos que olhavam um pedacinho, comentavam outro bocadinho, sorriam, viravam cara, etc.

No entanto guardei com carinho especial três manifestações: numa das repetições, não sei precisar em qual delas, uma mulher, solitária, me olhava com tanta verdade, embarcou de tal forma na melodia da ciranda que Diana sugeriu que eu cantasse que num dado momento ela começou a chorar, tinha tanta verdade ali, respirei fundo e continuei; na outra, uma mulher, ao final da performance me devolveu a flor que a ofereci para que eu não parasse de fazer; e na derradeira, ofereci uma flor para um homem acompanhado de duas muletas, senti um marasmo na sua face, nos seus olhos, mas também havia muita generosidade.

Foi simplesmente transformador! Senti o mar me querendo! Senti que posso!

Seja o primeiro a comentar

  ©Template by Dicas Blogger.

TOPO